terça-feira, 15 de abril de 2008

Resenha Fictícia 2

Junior Lima - Ar Puro

Nota: 7,5



Argumento 1: Pai famoso + tio famoso + irmã famosa + vida de artista-mirim + milhões de álbuns vendidos = sucesso e carreira promissora.
Argumento 2: Pai famoso + tio famoso + irmã famosa + vida de artista-mirim + milhões de álbuns vendidos = cobranças monstruosas.

Agora imagine quando o integrante da dupla que, sempre foi acusado por muitos de ficar à sombra da parceira/irmã, resolve se lançar em carreira solo. Desconfianças e pré-julgamentos não faltam por parte de público e crítica.

Depois da turnê do álbum "Acústico MTV" da dupla Sandy & Junior, os irmãos encerraram suas atividades em conjunto, passando cada um a seguir seu caminho. Enquanto Sandy (que continua sendo só Sandy) faz participações em programas de TV e novelas, Junior (que agora é Junior Lima) lança seu primeiro álbum solo, onde compôs todas as músicas, tocou guitarra, violão, percussão, bateria, foi co-produtor e vocalista, sim, eu disse vocalista.

"Ar Puro" é um trabalho que merece vários destaques e observações. É importante ressaltar logo de cara que o cantor soube driblar muito bem suas limitações vocais, não se arriscou em timbres mirabolantes, mas também não se escondeu atrás do instrumental, difícil explicar, só ouvindo.

A encarregada de abrir o álbum é "Tente Voar", um soul sexy irresistível, a lá Marvin Gaye, guitarra econômica, percussão e vocal sussurado. Em seguida a música de trabalho "Buscando Paz", levada por um violão, lembra Skank em suas baladas.

As letras não trazem muitos atrativos, em sua maior parte falam de amor e relacionamentos, correspondidos ou não. Quando tentam ser mais "atuantes", como no roquinho "Tudo Errado", resvalam em clichês como "O mundo está errado/onde vamos parar".

Em "Até Onde Vai", o violãozinho é trocado por um batidão frenético, a clara influência de Justin Timberlake (fase sexyback) traz um ar de novidade ao trabalho. As músicas de modo geral são interessantes individualmente, mas como conceito de álbum soam um tanto desconexas, reflexo da geração mp3. Segundo informações, foi cogitada a possibilidade, posteriormente descartada, do álbum ser lançado anteriormente na internet, sendo disponibilizado faixa por faixa no site do cantor.

As únicas participações especiais foram de Marcelo Camelo, com quem Junior já havia dividido o palco no Acústico MTV, e da irmã Sandy, que aparece por aqui apenas por uma questão doméstica, pois os vocais de apoio que fez em "Sombra e Água Fresca" poderiam ser feitos por qualquer outra backing vocal, talvez o resultado seria até melhor. A participação de Camelo protagoniza um dos melhores momentos do álbum, a melancólica "Tarde de Sol", onde os dois violões fazem a "cama" para os vocais do Hermano sobrepostos aos de Junior.

A faixa que fecha o disco é a nostálgica "Casa Grande", um folk de fazer inveja a Mallu Magalhães. A melhor letra do álbum. A sinceridade se mostra clara quando o cantor fala com alegria de sua infância e da tradição rural de sua família.

Segundo o cantor, o título do álbum se refere à fuga do sufoco que o mundo passa hoje, com problemas ambientais, conflitos políticos, religiosos, etc. Considerando, entretanto, o histórico dessa nova fase de Junior, esse "Ar Puro" é totalmente cabível a sua própria liberdade. Depois de vários anos preso na vala pop e nas comparações com a irmã, o músico procurou se libertar dessas amarras de forma compulsiva, o que apesar de tornar o trabalho confuso com seus vários estilos, atribui a ele uma carga interessante e significativa de sinceridade.

Tracklist:

1 - Tente voar
2 - Buscando Paz
3 - Até onde vai
4 - Sempre vou tentar
5 - Tudo errado
6 - Sombra e água fresca
7 - Diretamente
8 - Por acaso
9 - Simplicidade
10 - Tarde de sol
11 - Casa grande

(Obs: Este texto é fictício, inteiramente fruto da minha imaginação)

4 comentários:

Diego Assunção disse...

Dizem por aí que o próximo trabalho do pródigo "tocador de todos os instrumentos" será no cinema, como compositor de trilhas sonoras.

Seguindo os passos de artistas como o Nick Cave, Tom Waits e Neil Young, Durval Júnior Lima fará um sério e experimental trabalho para o próximo filme de Renato Aragão.

Eduardo Martinez disse...

Esperemos a trapalhada...

Graziela disse...

Du
Bom encontrá-lo por lá e melhor ainda vê-lo por aqui...
Fiquemos em contato...beijos

Bela Estremecida disse...

Dudu, não sabia do seu blog... Tõ entrando no ritmo também... Já salvei no meu pra visitar sempre aqui... Beijão, saudades!
Bruna - facul (ops - ex-facul)