segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Um Show Desajeitadamente Lindo


Foi a primeira vez que a banda se apresentou em Araçatuba

Por meio do Sesc, a banda cearense Cidadão Instigado se apresentou em Araçatuba na última sexta-feira (08 de janeiro). Inicialmente seria na Praça João Pessoa, no palco que já recebeu shows brilhantes de Vanguart, Cordel do Fogo Encantado entre outros. Mas devido à possibilidade de chuva, a apresentação foi transferida para o pequeno Teatro Municipal Paulo Alcides Jorge. E choveu. Constantemente, das 18h até a madrugada (o horário do show foi 20h30).

Banda pouco conhecida na cidade, mudança de local e chuva. A trinca perfeita para um desastre. Felizmente, entretanto, a coisa não foi bem assim. O (reduzido) público que compareceu foi chegando aos poucos, mas bem aos poucos mesmo, cheguei 20h20 e encontrei umas 10 pessoas no máximo. Quando o show teve início, por volta das 20h50 (atraso compreensível), aproximadamente metade das cadeiras do teatro estavam ocupadas (não tenho números exatos, sorry).

Como em todo show gratuito na cidade interiorana de Araçatuba (e talvez em qualquer lugar desta galáxia), o público foi bastante variado. Composto por poucos que pareciam conhecer mesmo a banda, alguns freqüentadores assíduos de eventos do Sesc e muitos curiosos. De casais com idade avançada a famílias com crianças. Alguns passavam pela porta do teatro e perguntavam: “É música que vai ter hoje?”, e entravam para conferir. Outra parcela dos presentes possivelmente foi definida pelo texto de divulgação, utilizado pelo Sesc e pelo jornal local Folha Da Região, onde influências do grupo cearense eram elencadas, com destaque para Roberto Carlos e Pink Floyd. O que resultou em algumas jovens senhoras fãs do rei e tiozões nostálgicos sedentos por Roger Waters e companhia.


Fernando Catatau: vocal e guitarra

Quando anunciada, a banda entra no palco timidamente, sem olhar para a plateia, que permanecia imóvel e silenciosa em um misto de ansiedade e curiosidade. A primeira música foi “O Nada”, faixa que também abre o sensacional “Uhuuu”, álbum mais recente do grupo e terceiro da carreira. Crente de que parte do público desistiria da apresentação na parte em que o refrão da música é cantado de forma mais intensa (com uma bela desafinada, sem ironia), queimei minha língua. Ninguém se moveu, se quer respirou, diante de uma execução impecável.

Fernando Catatau, o homem envolvido em quatro dos melhores álbuns brasileiros de 2009*, parecia tenso no início, olhando fixamente para frente, talvez em direção ao técnico de som, e mexendo insistentemente nos pedais de sua guitarra. Ao término da primeira música, os presentes hesitaram por alguns segundos, até que alguém puxou as palmas, desajeitadas, típicas de quem ainda não entendeu exatamente o que acabou de se passar. Respondendo apenas com um sorriso tímido, Catatau estabelece entre a banda e o público essa dinâmica desajeitada que segue por toda a apresentação.


A banda lançou em 2009 seu terceiro álbum de estúdio

As ótimas músicas do trabalho mais recente se enfileiravam no repertório. Só não apareceram “A Radiação Da Terra” e “Ovelhinhas”. Do segundo álbum, “Método Túfo De Experiências”, foram executadas as ótimas “O Pobre Dos Dentes De Ouro” e “Os Urubus Só Pensam Em Te Comer”, no fim dessa última algumas pessoas deixaram escapar algumas risadas um pouco tensas, daquelas em que você se pergunta “Afinal, era pra rir ou não?”.

As fãs de Roberto Carlos puderam se satisfazer com a carga sentimental de canções como “Dói” e “Como As Luzes”, enquanto os tiozões se deliciaram com as viagens instrumentais de “Doido”, “Deus É Uma Viagem” ou ainda com os solos epiléticos de “Escolher Pra Que?”.

Após a execução da penúltima música, “Homem Velho”, Catatau se comunica verbalmente pela primeira vez na noite com público. Dá boa noite, agradece a presença de todos, a oportunidade proporcionada pelo Sesc, apresenta os integrantes da banda e anuncia a última música, “O Cabeção”.


O evento foi promovido pelo Sesc

Fim de show. A platéia, que permaneceu, sem baixas, durante todo o show, vai embora. Um número significativo de pessoas se aglomera para comprar o último disco da banda. Eu e o Anderson, amigo que dividiu a primeira fila comigo, fomos embora conversando sobre o quão impecável foi a apresentação, sobre como o Sesc é fundamental para a movimentação cultural da cidade, e acima de tudo: sobre como é bom, mesmo com chuva, mudança de local e pouco conhecimento da banda na cidade, conseguir um resultado tão único, estranhamente bonito e desajeitadamente prazeroso. A chuva continuava caindo.


* “Certa Manhã Acordei De Sonhos Intranquilos” – Otto e “Ie Ie Ie” – Arnaldo Antunes, em que Catatau foi produtor. “Vagarosa” – Céu, em tocou em duas músicas e compôs uma delas. E no próprio “Uhuuu”, de sua banda.

Fotos: Anderson Augusto Soares

O camarada Anderson também escreveu sobre o show em seu blog. Clique aqui.

Um comentário:

Anderson Augusto Soares, disse...

Ainda bem que você escreveu também sobre o show, que foi um sucesso, pois 100% do público que estava na primeira fila escreveu algo sobre a apresentação.

Muito bem observado por você a questão da chuva, do público e da tensão inicial de Catatau. Isso humaniza a descrição.

Até o próximo show, Eduardo.

(Muito bacana crédito com foto...)