domingo, 23 de agosto de 2009

Arctic Monkeys entra no jogo, façam suas apostas!


"Somos tão jooooovensss"

Será que demorei muito para chapar em Arctic Monkeys? agora que saiu o fodão Humbug estou ouvindo Favourite Worst Nightmare como nunca.

Aconteceu comigo da mesma forma quando surgiu o Strokes. Toda aquela babação em cima deles me fez torcer o nariz antes de ouvir com calma. Depois de ouvir todo tipo de comentário no estilo "next big thing" resolvi escutar a galera de Julian Casablanca, Last Nite foi a primeira, e única da vez, acho, não me lembro direito. Minha reação foi: "Esse é o tal Strokes? próximo por favor". E a impressão seguiu até pouco antes do lançamento do segundo álbum, quando sei lá porque, resolvi ouvir o Is This It com calma. Resultado: hoje acho o álbum fundamental, importantíssimo como pilar musical/estético para a década de 00.

Tudo bem que os dois álbuns seguintes não fazem jus ao grande legado iniciado com o debut, mas acho que o jogo ainda vira, não sei mais se o sucessor de First Impressions of Earth sai esse ano, mas se sair, por exemplo, em dezembro, já nasce com grandes chances de liderar todas as listas de melhores do ano, o que seria interessante, algo como a banda ensinando como se faz, no início e no fim da década, já que Is This It é de 2001.

Voltando ao Arctic Monkeys, gostei de I Bet You Look Good On The Dancefloor logo de cara, mas não me empolguei o suficiente para engrossar o coro que colocava a macacada como a última bolacha do pacote. E agora, com todo esse estardalhaço do lançamento (e vazamento na web) do Humbug, fui atrás dos dois trabalhos anteriores com a atenção necessária. Hoje meu Media Player está enjoando de tocar Balaclava, Teddy Picker, Fake Tales of San Francisco e especialmente Crying Lightning.

Humbug é realmente um grande álbum, um amadurecimento sem o menor traço de caretice, um cruzamento dos próprios Monkeys com o lado mais psicodélico e menos pesado do Queens Of The Stone Age, não é a toa que Josh Homme (cabeça do QOTSA e coprodutor do álbum) declarou que não queria ser conhecido como o cara que deixou o AM pesado. Realmente, o peso é o característico deles, a novidade é todo o clima psicodélico.

A briga pelo melhor álbum de 2009 vai ser boa, não com muitos concorrentes , mas com poucos de peso, já fico pensando no embate entre Arctic Monkeys e Franz Ferdinand, boa disputa.


Um comentário:

Solange Danielle disse...

Eduardo,gostei do seu Blog....parabens...tbem adoro musica...vou acompnhar seu Blog,um abraço.....Solange Cocchi